Publicidade

Rota do Arraiá

Por que Santo Antônio é o santo casamenteiro?

Muitas pessoas ainda deixam a imagem do santo de cabeça para baixo até arranjar um marido, e Santo Antônio segue inspirando canções com rogos de amor

| ACidade ON -

Dia 13 de junho é dia de Santo Antônio, que é considerado uma das figuras religiosas católica mais populares e queridas no Brasil. (Foto: Pixabay)


Quem nunca ouviu os versos da canção junina: "Matrimônio, matrimônio, isso é lá com Santo Antônio"? Pois dia 13 de junho é dia de Santo Antônio, que é considerado uma das figuras religiosas católica mais populares e queridas no Brasil, muito por conta de sua fama de santo casamenteiro. De tão conhecido no país, existem 38 municípios que têm seus nomes em alusão ao santo.

MAS QUEM FOI? 

Seu nome de batismo era Fernando de Bulhões e Taveira de Azevedo e passou a se chamar Antônio aos 25 anos, quando se tornou frade franciscano.

Santo Antônio era português, nasceu em Lisboa, provavelmente em 1195, e morreu em 13 de junho de 1231, em Pádua, na Itália, por isso é também conhecido como Santo Antônio de Pádua. 
 
LEIA TAMBÉM  
Quer festa? Confira as festanças juninas da Rota do Arraiá na nossa região 
Qual é a origem da festa junina nordestina? 
Você conhece a história dos santos juninos? confira aqui!

 
A ideia de que ele seria um 'santo casamenteiro vem da ajuda que, em Pádua, ele dava a noivas. Como muitas moças não tinham dinheiro para o enxoval, ele as ajudava a recolher doações para o dote. Por isso tudo, virou o protetor dos namorados e das solteiras. 

Dos pedidos realizados pelo santo, há a história de que Santo Antônio teria atendido aos rogos de uma moça que, para se casar, precisava um dote. A moça teria, então, encontrado um bilhete de Santo Antônio que pedia para ser entregue a um determinado comerciante. 

O bilhete ordenava que o comerciante desse à moça moedas de prata de acordo com o peso do papel. Pensando que o papel pesaria muito pouco, ele aceitou. Mas foram necessários 400 escudos da prata para que a balança chegasse ao equilíbrio.

O comerciante lembrou-se de uma promessa que havia feito a Santo Antônio e não havia cumprido: dar 400 escudos de prata para a igreja. A jovem recebeu a quantia e pôde, assim, se casar. 

Outra lenda atribuída ao santo teria ocorrido porque uma jovem que havia feito uma promessa a Santo Antônio colocou sua imagem na janela à espera de um noivo. Como não era atendida, derrubou a estátua na calçada.  

A imagem acabou caindo na cabeça de um rapaz e, por causa do acidente, os dois se apaixonaram e se casaram. Isso originou a mania dos fiéis de colocá-lo de cabeça para baixo, dentro dágua e virado contra a parede uma punição até ter sua graça alcançada.  

Para se ter uma ideia, muitas noivas escrevem até hoje o nome das amigas no vestido de casamento para ajudá-las a casar, com uma oração para Santo Antônio junto aos nomes, para que o pedido tenha mais força. Em alguns casamentos, na hora de jogar o buquê, as noivas inovam e fazem um buquê de santinhos feitos de tecidos ou feltros.  

Santo Antônio também já inspirou muitas canções com o tema amoroso, uma delas, "Meu querido Santo Antônio", foi gravada pelo cantor Daniel e traz na letra:

"Meu querido Santo Antônio/ Me arranja um amor/ Meu bonzinho São Toninho/ Me dá uma colher de chá. Meu coração pequenininho/ Já não aguenta mais sofrer/ Meu querido Santo Antônio/ Vem aqui me socorrer."  

Assim, Santo Antônio continua muito presente na imaginação popular e na fé de muitos brasileiros apaixonados ou em busca de um amor.


Publicidade