Publicidade

tudo valor

Copom inicia sexta reunião do ano para definir juros básicos

Expectativa é que taxa Selic se mantenha em 13,75% ao ano

| Agência Brasil -

 

Sede do Banco Central (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central)  se reúne a partir desta terça-feira (20) para definir a taxa básica de juros, Selic. É a sexta reunião do comitê no ano e a expectativa é que seja mantido o aperto monetário com mais um aumento na taxa, mas em menor nível do que nos últimos encontros, quando foi elevada em 0,5 ponto. A decisão deve ser anunciada nesta quarta-feira (21).

Na última reunião, em agosto, o órgão informou que elevaria a taxa em 0,25 ponto agora em setembro, diante dos riscos de que a inflação fique acima da meta em prazos mais longos. A alta de juros dos bancos centrais dos Estados Unidos e da Europa também pode forçar o BC a um novo aumento.

O mercado financeiro espera que a taxa básica seja mantida em 13,75% ao ano, mas o colegiado está dividido, podendo elevar para 14% ao ano. De acordo com o boletim Focus, a expectativa é que a Selic termine o ano no primeiro patamar. Após o término da reunião desta semana, o Copom tem mais dois encontros em 2022, em outubro e dezembro. 

 

 

LEIA MAIS 

5 atitudes matadoras para você lidar melhor com o dinheiro

Mercado financeiro projeta inflação de 6% em 2022

 


A queda da inflação nos últimos dois meses também reforçou a previsão das instituições financeiras pela manutenção da Selic. Em julho, houve deflação de 0,68% e, em agosto, de 0,36%. Com esse último resultado, divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), inflação oficial do país, acumula alta de 4,39% no ano e de 8,73% em 12 meses.

O QUE É TAXA SELIC? 

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional. Selic significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia e serve de referência para as demais taxas da economia. Ela é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto comprando e vendendo títulos públicos federais para manter a taxa de juros próxima do valor definido na reunião.

Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Desse modo, taxas mais altas também podem conter a atividade econômica. Ao reduzir a Selic, a tendência é de que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Entretanto, as taxas de juros do crédito não variam na mesma proporção da Selic, que é apenas uma parte do custo do crédito. Os bancos também consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como risco de inadimplência, lucro e despesas administrativas.

O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.

META DA INFLAÇÃO 

Para 2022, a meta de inflação que deveria ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 3,5%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 2% e o superior é 5%. Para 2023 e 2024, as metas são 3,25% e 3%, respectivamente, com o mesmo intervalo de tolerância.

No último Relatório de Inflação, divulgado no fim de junho pelo Banco Central, a autoridade monetária admitiu, oficialmente, o estouro da meta de inflação em 2022. No documento, a estimativa é que o IPCA atingirá 8,8% em 2022. O próximo relatório, já com a contabilização das últimas deflações, será divulgado na semana que vem, dia 29.

A projeção do mercado é de uma inflação fechando o ano em 6%, de acordo com o boletim Focus de ontem (19). Há 12ª semanas consecutivas as instituições financeiras vêm reduzindo a previsão. 

 

LEIA TAMBÉM 

Cardiopatia e obesidade: Setembro Vermelho alerta para doenças cardiovasculares

Publicidade