Publicidade

tudo saúde

Lei que facilita localização de doadores de medula óssea é sancionada

Registro nacional é o terceiro maior banco de dados de doadores de medula óssea do mundo, mas quase 50% dos voluntários não são localizados quando é necessário

| Estadão conteúdo -

 

Coleta de medula óssea. (Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Uma lei que promete facilitar a localização de pessoas cadastradas no Redome (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea) foi sancionada nesta semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O projeto já havia sido aprovado pelo Congresso Nacional. Para viabilizar o contato com os doadores, a nova lei permite, se o contato inicial falhar, que os hemocentros peçam dados recentes a órgãos públicos, concessionárias de serviços públicos e serviços de proteção ao crédito. Também podem ser contatados cônjuge e familiares até o terceiro grau do cadastrado no Redome.

O registro nacional é o terceiro maior banco de dados de doadores de medula óssea do mundo, são mais de 5 milhões de cadastrados. Mesmo assim, quase 50% dos voluntários não são localizados quando é necessário. "Entre janeiro de 2021 e março de 2022, foram realizadas 18.174 solicitações de contato sendo que, desse total, 7.576 doadores não foram localizados. Assim, nesse período, nada menos do que 42% das tentativas de contato foram infrutíferas", disse o relator do projeto, senador Alessandro Vieira (PSDB-SE), à Agência Senado. Isso pode acontecer, por exemplo, caso a pessoa cadastrada tenha mudado de telefone ou endereço. 

 

 

LEIA MAIS 

O que é e qual a importância do treinamento de força?

Beber água retarda o envelhecimento e previne doenças

 


O relator propôs que o prazo para atendimento das informações requisitadas seja de três dias úteis, podendo ter a incidência de multa de um a 100 salários mínimos por dia de atraso. A quantia arrecadada será dividida entre o Inca (Instituto Nacional do Câncer) e o Ministério da Saúde. "É inaceitável que a doação de medula óssea seja inviabilizada pela mera falta de possibilidade de contato com eventual doador", disse Vieira.

A proposta aprovada pelo Congresso previa que, no caso de morte do doador, os hemocentros poderiam entrar em contato com os irmãos e irmãs do voluntário e convidá-los para se cadastrarem no Redome. Lula vetou esse trecho ao considerar essa permissão uma violação ao direito constitucional à proteção de dados, pois possibilitaria o acesso a informações pessoais de terceiros sem consentimento.

O Instituto Nacional do Câncer informa em seu site que, para se tornar um doador voluntário de medula óssea, é preciso ir ao hemocentro mais próximo da sua cidade, realizar um cadastro no Redome e coletar uma amostra de sangue (10 ml) para exame de tipagem HLA. 

O QUE É NECESSÁRIO PARA SE TORNAR UM DOADOR DE MEDULA ÓSSEA?

- Ter entre 18 e 35 anos de idade.

- Um documento de identificação oficial com foto.

- Estar em bom estado geral de saúde.

- Não ter nenhuma doença impeditiva para cadastro e doação de medula óssea 

LEIA TAMBÉM 

Copinha: Casos de diarreia interditam hotel em São Roque

Publicidade