Publicidade

tudo saúde

Nova onda de covid? Saiba quais são os sintomas e cuidados tomar

Especialistas apontam que é importante que a população atente aos sintomas, faça testes para confirmar a infecção por coronavírus

| Da redação -

Aumentou o número de positivos para covid-19 (Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil)

 

A positividade dos testes de coronavírus em laboratórios privados do País aumentou em outubro, apontou análises do Instituto Todos pela Saúde (ITpS), e uma nova onda de casos da doença também tem sido observada em países da Europa. Duas novas cepas do vírus, a BG.1 e a XBB, que surgiram a partir da variante Ômicron, são potencialmente mais resistentes à vacina e têm crescido em circulação.  

Em entrevista ao Estadão, especialistas apontam que é importante que a população atente aos sintomas, faça testes para confirmar a infecção por coronavírus e siga o tratamento correto da doença.  

Como a covid-19 pode ser confundida com um resfriado ou gripe, é importante que a pessoa, ao perceber os sintomas, faça um teste para comprovar se há infecção por coronavírus ou por influenza, que também teve aumento relevante no número de testes positivos.  

Em especial idosos e imunossuprimidos devem ter um diagnóstico correto para que o tratamento seja feito o quanto antes, diminuindo as chances de uma evolução para quadro mais grave. Até o momento, o aumento no número de testes positivos para coronavírus são de casos leves. Não houve aumento relevante no número de internações pela doença.   

 

VEJA TAMBÉM 
Será que a pandemia de covid-19 acabou? Veja o que dizem especialistas 

Vacina via oral contra Covid-19 é lançada; saiba mais 



SINTOMAS 

Segundo o médico infectologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP Evaldo Stanislau, apesar das novas cepas do vírus, os sintomas da covid-19 continuam sendo os mesmos de antes. "Geralmente são sintomas respiratórios, similares a de um resfriado comum ou eventualmente aos de uma gripe, quando há mais sintomas de febre e mal estar", diz.  

Por isso, é preciso se atentar se há: 

- coriza;
- dor de garganta;
- tosse;
- dor no corpo;
- mal estar;
- febre.  

Os sintomas podem aparecer isoladamente ou todos juntos. Pessoas imunizadas com todas as doses contra a doença e que não têm idade avançada ou problemas de saúde tendem a apresentar sintomas mais leves, sem evolução para casos graves. Para saber se é covid-19, influenza ou apenas um resfriado comum, é preciso fazer um teste laboratorial.  

TESTAGEM 

Alexandre Naemy Barbosa, infectologista, professor e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, defende que a testagem de pacientes com sintomas respiratórios deve ser feita em todos os casos.  

Segundo ele, o paciente consegue ter um melhor tratamento quando diagnosticado corretamente, o que diminui as chances de evolução da doença para quadros mais graves. "Hoje nós já temos alguns medicamentos que tratam a covid-19 e que ajudam para que o quadro clínico do paciente não evolua negativamente", diz o especialista.  

Para Carolina dos Santos Lázari, infectologista do Fleury Medicina e Saúde, a testagem é importante não só no âmbito pessoal, mas também coletivo. Ela possibilita que a comunidade médica, científica e as autoridades saibam o que está acontecendo nas cidades e no País para que sejam tomadas as medidas necessárias para conter e prevenir casos. 

Além disso, é necessário comunicar o cenário atual às pessoas mais vulneráveis para que elas possam se proteger. 

"Nós sempre estimulamos a confirmação por exame laboratorial, mesmo para pacientes com sintomas leves e sem fatores de risco, para que a gente conheça o que está acontecendo na comunidade. Afinal, quando aumenta o número de casos leves, significa que as pessoas que têm mais chance de ter um quadro grave estão expostas a um risco maior", explica Lázari. Segundo ela, nos hospitais parceiros do Fleury, a testagem em pronto-socorro é um protocolo comum.  

Stanisla concorda com a especialista do Fleury. Segundo ele, a queda na testagem, provocada principalmente pelo relaxamento da população em relação à preocupação com o coronavírus, é um grande equívoco. "A gente perdeu o nosso indicador epidemiológico de circulação viral. Hoje a gente tem muito diagnóstico sindrômico."  

O médico explica que, costumeiramente, as pessoas têm sintomas respiratórios, procuram uma orientação médica - ou nem sequer procuram um médico - e o diagnóstico é feito de acordo com os sintomas. Porém, o método não é eficaz.  

"A gente tem muitos agentes respiratórios. Cada um deles vai ter uma complicação clínica e um padrão epidemiológico. Então, a testagem é essencial para a gente identificar quais são os agentes que estão circulando", explica o especialista.  


Caso o médico do pronto-socorro não peça a testagem, Barbosa defende que o paciente exija o teste. Além disso, o ideal é realizar testes laboratoriais. 

Os autotestes de farmácia, apesar de mostrarem o resultado rapidamente e terem uma eficácia comprovada, não notificam os resultados. Ou seja, não são computados pelas pesquisas e nem pelo governo.  

O melhor momento para se fazer o teste é quando o paciente começa a apresentar sintomas. Ao passar alguns dias, pode ser que o resultado indique um falso negativo. 

CUIDADOS 

Os cuidados a serem tomados para não contrair covid-19 ao longo desta nova onda da doença variam de pessoa para pessoa.  

O vice presidente da SBI defende que idosos acima de 75 anos, pessoas que passaram por implante de órgão recente, pessoas com doença de lúpus e imunossuprimidos em geral evitem aglomerações e utilizem máscaras quando tiverem contato com outras pessoas. "Mesmo com todas as doses da vacina, essas pessoas são mais vulneráveis", diz o médico.  

Já para pessoas com condições de saúde normais e que não são idosas, a recomendação é de uso de máscara apenas em ambientes fechados, com aglomeração e sem circulação nenhuma de ar, como elevadores. "Não há motivo para grande preocupação", tranquiliza Barbosa.  

Apesar de não ser um cenário tão grave quanto o de 2020 e 2021, Stanisla lembra que "é importante que as pessoas entendam que a pandemia não acabou".  

Para ele, a flexibilização do uso de máscaras mesmo em locais extremamente fechados e com baixa circulação de ar deveria ser repensada pelas autoridades sanitárias. "A máscara protege e continua sendo extremamente indicada para esses ambientes", diz 

VACINAÇÃO

Para todos os médicos escutados pela reportagem, a vacinação continua sendo a melhor medida de prevenção contra a covid-19.
"A gente observa que muita gente negligenciou a dose de reforço da vacina e isso é um grande problema porque impacta na circulação viral", diz Stanisla. Mais uma vez, trata-se de uma questão coletiva: quanto maior for a barreira imunológica encontrada pelo vírus, mais dificilmente ele vai penetrar em uma região.  

As doses de reforço são importantes porque, sem elas, a proteção cai consideravelmente. Até o momento, apenas 48,93% da população total brasileira tomou dose de reforço, segundo o consórcio de veículos de imprensa, com base em dados das secretarias estaduais de Saúde.  

A vacinação infantil é ainda mais preocupante. O Brasil tem uma baixa cobertura vacinal infantil contra o coronavírus. Hoje, o número de bebês e crianças internados por covid-19 supera o de idosos, segundo dados do Observatório de Saúde na Infância - Observa Infância (Fiocruz/Unifase).
De 14 de agosto a 10 de setembro deste ano, idosos com mais de 60 anos somaram 387 hospitalizações pelo vírus no País. Já entre bebês e crianças, o número chegou a 678, quase o dobro.  
 
LEIA MAIS 
Saiba o que é e como funciona a carência no plano de saúde

Publicidade