Publicidade

tudo pets

Intoxicação de cães: Polícia indicia 4 de empresa por contaminação de petiscos

Os animais foram intoxicados por petiscos contaminados com monoetilenoglicol, substância química imprópria para o consumo animal e humano fornecida com rótulo adulterado pela Tecnoclean

| Estadão conteúdo -

Fabricantes terão que seguir regras após mortes de cães. (Foto: Reprodução)

Por Aline Reskalla, especial para o Estadão
A Polícia Civil de Minas Gerais indiciou nesta segunda-feira, 5, quatro representantes da empresa mineira Tecnoclean pela morte de 14 cães no Estado. Os animais foram intoxicados por petiscos contaminados com monoetilenoglicol, substância química imprópria para o consumo animal e humano fornecida com rótulo adulterado pela Tecnoclean ao fabricante dos alimentos, a Bassar, como se fosse propilenoglicol, tradicionalmente usado na indústria alimentícia. Em todo o País, segundo a polícia mineira, há relatos de cerca de 50 pets e mais de 100 hospitalizações relacionadas aos petiscos.

Após três meses e meio de investigações, a Polícia Civil do Estado concluiu que a Tecnoclean praticou crime hediondo de falsificação contra a saúde pública, com dolo, conforme o artigo 273, do Código Penal, que prevê pena de 10 a 15 anos de reclusão Segundo a delegada Danúbia Quadros, ficou constatado que a Tecnoclean repassou para a Bassar um produto que deveria ser usado apenas em indústrias e jamais na fabricação de alimentos.
 
LEIA TAMBÉM 
Gata britânica de 27 anos ganha título de mais velha no mundo pelo Guinness
 
Veja quais são os sintomas de Alzheimer em cães

"Foi evidenciada a incorreta identificação dos laudos pela falha no sistema de rastreabilidade pela empresa Tecnoclean, que compra o monoetileno da A&D e troca o rótulo para revendê-lo para a Bassar. Houve a identificação da incorreta rotulagem desses barris, que foram acondicionados no mesmo local, o monoetilenoglicol ao lado do propilenoglicol, tendo a Tecnoclean assumido o risco de produzir o resultado morte por contaminação dos cães, que ocorreu no território nacional", disse a delegada.

Danúbia Quadros afirmou que, independentemente da situação, trata-se de um dolo. "Uma conversa telefônica entre funcionários da empresa Tecnoclean e A&D Química e Comércio Eirelle (revendedora das substâncias) revela que era sabido que a revenda do monoetilenoglicol não é permitida para empresas de ramo alimentício, apenas para empresas do ramo industrial", disse ela.

Por causa da adulteração nos rótulos, o monoetilenoglicol acabou sendo utilizado na fabricação dos petiscos pela Bassan em vez do propilenoglicol, tradicionalmente usado na indústria alimentícia Dessa forma, o fabricante não foi implicado no inquérito, que investigou ainda as empresas Crystal Limpe, A&D Química e Comércio Eirelle e Pets. Apenas a Tecnoclean foi apontada como responsável pela intoxicação. A empresa foi procurada pela reportagem, mas ainda não retornou ao pedido de posicionamento. Em setembro, a empresa havia dito que adquiriu a substância propilenoglicol de uma importadora e a revendeu.

As investigações foram feitas em parceria com o Ministério da Agricultura e Pecuária. Em outubro, a pasta divulgou que análises periciais e necrópsias nos corpos dos animais detectaram presença de monoetilenoglicol nos petiscos, uma substância não recomendável para consumo animal e humano.

O monoetilenoglicol ou etilenoglicol é um solvente liquido incolor, utilizado em diversas formulações de fluidos hidráulicos resistentes ao fogo, óleos para usinagem, polidores de superfícies, defensivos agrícolas, extração de solventes, além de ser muito utilizado como anticongelante.

Já o propilenoglicol é um aditivo usado em diferentes setores da indústria de alimentos processados, como agente carreador, estabilizante e umectante. 
 
LEIA MAIS 
Conheça a história do urso que comeu 40kg de cocaína e virou filme


Publicidade