Publicidade

tudo notícias

Homem que levou réplica da Constituição do STF em ataques terroristas, a entrega na PF de Varginha

Suspeito é de São Lourenço, mas mora em Campinas. Ele prestou depoimento na polícia: 'Peguei para que não fosse destruída'

| Especial para o tudo ep -

Réplica da Constituição levada do STF durante ataques terroristas em Brasília. (Foto: Reprodução)
Nos ataques antidemocráticos ocorridos em Brasília e na invasão ao STF (Supremo Tribunal Federal) no último domingo (8) uma réplica da Constituição Federal de 1988 foi levada. O livro foi recuperado pela Polícia Federal de Varginha, após um homem levá-lo na unidade. O suspeito prestou depoimento e disse que tomou a Constituição das mãos de outras pessoas para que ela não fosse destruída.

O designer Marcelo Fernandes Lima, de 50 anos, é natural de São Lourenço (MG), mas mora em Campinas (SP), e afirmou à PF que soube no sábado (7) sobre o ônibus que levaria pessoas de São Lourenço para Brasília, para participarem dos atos contra a democracia. Segundo ele, a intenção era fazer um "abraço humano" ao redor dos prédios da praça.

"Não havia em nenhum momento, nem mesmo no QG, qualquer organização ou incitação específica para que ocorresse a invasão de qualquer prédio público. Havia pessoas mais exaltadas, mas a maioria absoluta estava ali sem a intenção de invadir e depredar qualquer coisa", disse no depoimento.

De acordo Marcelo, as portas do STF foram abertas para que o ato criminoso acontecesse. "As portas de trás do STF estavam abertas quando chegaram, pois entrou no prédio sem ver uma porta sequer quebrada ou arrombada". 

 

LEIA TAMBÉM  

1,4 mil pessoas estão presas após ataques em Brasília 

Governo detecta novas ameaças golpistas e reforça segurança 



"Que o rompimento da barreira do perímetro de segurança foi muito rápido e acredita que as portas de trás do STF estavam abertas quando os manifestantes chegaram, pois entrou no prédio sem ver uma porta sequer quebrada ou arrombada", trecho do depoimento.

O suspeito afirmou ter passado perto dos prédios do Congresso e do Palácio do Planalto, mas que não entrou. Entretanto, ao chegar ao STF, percebeu que várias coisas e vidros já tinham sido quebrados. Neste momento, viu três pessoas saindo do local com um livro grande nas mãos.

"Eles gritavam: 'Vamos rasgar, vamos rasgar'. Que o declarante percebeu que se tratava de um exemplar da Constituição Federal e, como nunca teve qualquer intenção de depredar coisa nenhuma, achou aquilo um absurdo e tomou o livro das mãos daquelas pessoas, para que não fosse destruído", cita.

Segundo ele, como não sabia o que fazer com o livro no tumulto, levou a Constituição consigo, para que não fosse destruída por radicais.

"Que pensou em devolver o livro para algum policial no local, mas a situação estava tão caótica que o declarante não soube o que fazer no momento e decidiu levar o livro para entregar para alguma autoridade posteriormente".

O design afirmou no fim da sua declaração que saiu de Brasília naquele mesmo dia e chegou em São Lourenço às 13h30 do dia seguinte. Ele acredita que irá responder ao processo em liberdade por dano ao patrimônio público. 

 

LEIA MAIS  

Moraes determina prisão do ex-comandante da PM e de Anderson Torres



Publicidade