Publicidade

tudo notícias

Operação cumpre mandados contra sonegação de impostos no comércio de café no Sul de Minas

São cerca de R$ 200 milhões de impostos sonegados. A Operação Expresso acontece nos estados de MG, PR e ES. Na região, tiveram alvos em Varginha e Três Pontas

| Especial para o tudo ep -

Operação contra sonegação de impostos no comércio de café (Foto: Divulgação/Receita Federal)
A Receita Federal cumpre na manhã desta sexta-feira (4) mandados de busca e apreensão para combater fraudes no comércio do café. A Operação Expresso é realizada nos estados de Minas Gerais, Paraná e Espírito Santo e estima que cerca de R$ 200 milhões de impostos federais foram sonegados. No Sul de Minas, as cidades de Varginha e Três Pontas foram alvos da ação.

Ao todo, a operação cumpre 20 mandados de busca e apreensão, de pessoas físicas e jurídicas investigadas. Além das cidades da região, ação acontece em Londrina (PR), Sertanópolis (PR), Colatina (ES) e Guaçuí (ES).

A força-tarefa é composta pela Receita Federal, Ministério Público de Minas Gerais e Secretaria de Estado da Fazenda de Minas Gerais. Segundo a Receita Federal, a investigação começou por dívida tributária de um grupo empresarial do setor cafeeiro, que se utilizava de notas fiscais frias, entre outros métodos, para sonegação de tributos. 

Em nota, a Receita informou que o mesmo grupo empresarial é alvo de outra força-tarefa, realizada no Paraná e no Espírito Santo. Composta pela Receita Federal, Polícia Civil do Paraná, Receita Estadual do Paraná e Ministério Público do Paraná, a operação visa desmantelar um esquema criminoso de sonegação de tributos no estado do Paraná.  

 

LEIA TAMBÉM 

Começou nesta quinta-feira (3) vacinação para mais públicos contra a meningite em Minas Gerais 

Filme que conta história de Poços de Caldas será lançado neste domingo (6) 


Também são alvos da operação grandes empresas capixabas, identificadas na investigação como as reais vendedoras do café para o Paraná, que se ocultam atrás de noteiras, além de transportadoras, que viabilizam a fraude.

Esquema descoberto em 2018
 

As investigações se intensificaram após a Operação Grão Brocado, de junho de 2018, feita pela Receita Federal, pelo Ministério Público de Minas Gerais e pela Receita Estadual de Minas Gerais, que descobriu um esquema de utilização de noteiras, empresas que apenas emitem notas, em diversos estados. Nele, o estabelecimento de um contribuinte do setor cafeeiro em Minas Gerais se creditava indevidamente de ICMS por meio de notas fiscais frias.
 

LEIA MAIS 

Manifestação pede criação de conselho para combater preconceito LGBTQIA+ em Passos

Publicidade