Publicidade

tudo notícias

Dois homens presos em operação contra adulteração de fertilizantes

Um dos homens é suspeito de liderar uma quadrilha especializada em adulteração de fertilizantes agrícolas

| Especial para o tudo ep -

Dois homens presos em operação contra adulteração de fertilizantes (Foto: Polícia Militar)
Na manhã desta quinta-feira (03), durante cumprimento de mandados em uma operação de combate à adulteração de fertilizantes agrícolas no bairro Shangry-lá, em São José da Barra (MG), um homem que estava foragido foi preso. A ação é um desdobramento da "Operação Piratas do Agro"

O homem é suspeito de liderar uma quadrilha especializada em adulteração de fertilizantes agrícolas no interior do estado de São Paulo, de acordo com informações da Polícia Militar.

Conforme relatos dos militares, o homem preso no Sul de Minas pertence à organização criminosa investigada. Na ocasião, também foi preso um outro homem que tinha mandado de prisão em aberto por homicídio no Estado de São Paulo.

A operação também contou com a participação de integrantes da Polícia Rodoviária Federal e membros do Gaeco, das cidades de Passos (MG) e de Franca (SP). Durante o ato, foram apreendidos celulares e uma quantia em dinheiro não foi divulgada.

LEIA TAMBÉM
Rodovias do Sul de Minas estão liberadas após manifestações

Batida entre carro e caminhão deixa uma pessoa morta e duas feridas

Itajubá divulga boletim epidemiológico sobre casos de sífilis

"PIRATAS DO AGRO"

A quadrilha investigada pela operação 'Piratas do Agro' operava em Franca (SP). Em 17 de agosto, uma força-tarefa composta pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público, e a PRF (Polícia Rodoviária Federal), cumpriu oito mandados de prisão temporária e 24 mandados de busca e apreensão.

As investigações apontam que a organização criminosa atuava na produção e no comércio ilegal de defensivos agrícolas.

Produzidos quase que majoritariamente no interior de São Paulo, os produtos falsificados eram destinados a diferentes regiões do Brasil por meio de um esquema complexo, com cargas transportadas por rodovias ou enviadas por correios, em remessas menores.

Os membros da organização criminosa também estão sendo investigados por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica em documentos públicos.

LEIA MAIS
Estudante é morto a facadas após república ser invadida em Poços



Publicidade