Publicidade

tudo notícias

Terremoto em Poços de Caldas (MG) teve 2.6 de magnitude

Fenômeno foi sentido por moradores às 5h50 de quarta-feira (21); Último registro na região foi em fevereiro deste ano

| Especial para o tudo ep -

Abalo sísmico foi sentido na região de Poços de Caldas, Sul de Minas. (Foto: Reprodução Obsis)
Em Poços de Caldas, no Sul de Minas, moradores relataram tremores de terra no início da manhã desta quarta-feira (21). Segundo os depoimentos nas redes sociais, os tremores foram sentidos nos bairros Jardim Country Club, Jardim Santa Helena e Vale das Antas.

Apesar de o aplicativo Android Earthquake Alerts System (Sistema de Alertas de Terremotos) registrar, às 5h50 um tremor de 4.0 na Escala Richter, o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis-UnB), órgão oficial responsável pela aferição em todo o país, registrou um terremoto de magnitude 2.6 no mesmo horário. Já a USP (Universidade de São Paulo) também registrou o evento com 2.7 pontos na Escala Richter.


LEIA TAMBÉM

Policial é atropelado por suspeito durante ocorrência

Duas mulheres são agredidas por três homens em Campos Gerais


Ainda, o epicentro do fenômeno foi identificado no município de Divinolândia, no interior do Estado de São Paulo, a cerca de 30 km de Poços de Caldas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Poços de Caldas, os militares não foram acionados para atender ocorrências em razão do tremor.

Segundo o Obsis-UnB, o abalo desta quarta-feira (21) é considerado de menor magnitude e a ocorrência do fenômeno foi registrada em uma região já conhecida por este tipo de atividade.

Em fevereiro deste ano, o município de São Sebastião da Grama (SP) apontou abalo sísmico de 2.7 na escala. À época, o tremor foi sentido por moradores em São João da Boa Vista (SP) e Espírito Santo do Pinhal (SP), além de Poços de Caldas.

ESCALA RICHTER

A Escala Richter é um método usado para quantificar a intensidade de terremotos na superfície da Terra. O sistema foi desenvolvido pelos cientistas Charles Richter e Beno Gutenberg e mede a força dos fenômenos, além de compará-los.

A Escala Richter é crescente e logarítmica, ou seja, é uma função matemática que está baseada nas propriedades da potenciação e exponenciação. Um abalo de intensidade 5.0 é 10 vezes mais forte que um de intensidade 4.0 e 100 vezes mais potente que um de nível 3.0, por exemplo.

Tremores acima de 6.0 podem ser considerados graves. Para efeito de comparação, confira:

Magnitude menor que 2.0: tremores percebidos somente por sismógrafos
Magnitude entre 2.0 e 4.0: similar à um caminhão passando na via
Magnitude entre 4.0 e 6.0: é capaz de quebrar vidros, provocar rachaduras e tirar móveis do lugar
Magnitude entre 6.0 e 7.0: danos em prédios, além de derrubar construções
Magnitude entre 7.0 e 8.0: grandes aberturas no chão e danos graves em prédios
Magnitude entre 8.0 e 9.0: capaz de destruir pontes e construções
Magnitude maior que 9.0: capaz de causar ondulações visíveis com destruição total

A Escala Richter conseguiu registrar no Chile, em 1960, o maior terremoto da série histórica com magnitude de 9.5 e ruptura de 1000 km de extensão na placas tectônicas. Cerca de 2 mil pessoas perderam a vida. Para efeito de comparação, a Usina de Itaipu levaria quatro anos para produzir a energia liberada pelo terremoto.

Já o terremoto de 26 de dezembro de 2004, que causou um tsunami no Oceano Índico matando 230 mil pessoas em 14 países, foi registrado com 9.1 na Escala Richter.


LEIA MAIS

Segundo suspeito de atentado contra Delegacia de Varginha se entrega


Publicidade