Publicidade

tudo notícias

Morre mulher que teve cerca de 40% do corpo queimado por ex-companheiro em Piranguinho

Vítima estava internada há 30 dias e aguardava vaga em hospital especializado de Belo Horizonte

| Especial para o tudo ep -

Vítima não resistiu aos ferimentos e morreu 
Morreu nesta sexta-feira (5) a mulher que teve cerca de 40% do corpo queimado pelo ex-companheiro em Piranguinho, Sul de Minas, no dia quatro de julho. Neusa do Carmo Braga estava internada e aguardava vaga em hospital especializado de Belo Horizonte. A informação foi confirmada por familiares da vítima nas redes sociais.

Neusa teve queimaduras de 1º e 2º graus nas costas, nádegas, braço, abdômen e pernas. A vítima foi levada para o Hospital de Clínicas de Itajubá e chegou a passar por cirurgia, para retirada de parte da pele queimada. A mulher teve necrose e a família lutava para que ela continuasse o tratamento na capital mineira. Ela estava internada há mais de 30 dias.

Um dia após o crime, o ex-companheiro da mulher, de 54 anos, tirou a própria vida. O corpo do homem foi encontrado em um terreno no bairro Boa Vista, em Itajubá. 

LEIA MAIS 

Chamamento público para erradicação do trabalho infantil  

Proprietária de agência de viagens é presa por estelionato em Poços de Caldas

TENTAIVA DE FEMINICÍDIO

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a vítima estava no trabalho no bairro Grotão, na zona rural da cidade, quando o ex-companheiro apareceu a puxou pelos cabelos, jogou gasolina em seu corpo e ateou fogo. Ao chegarem no local, os miliatres a encontraram consciente e sentada em um banco.

"A vítima nos relatou que seu ex-companheiro havia jogado gasolina em seu corpo e em seguida ateado fogo, logo após abandonou o local tomando rumo incerto. A vítima relatou ainda que assim que ela notou que seu corpo estava em chamas rapidamente pulou na piscina da imóvel", disseram os militares.

Neusa teve queimaduras de 1º e 2º graus na região das costas, abdômen, braços e pernas e foi levada para o Hospital de Clínicas de Itajubá. Segundo informações da Polícia Militar, a vítima tinha medidas protetivas contra o homem com quem se relacionou por cerca de 10 anos e estava separada há mais de dois meses.

O ex-companheiro a ameaçava, pois não se conformava com o fim do relacionamento. Ela relatou aos militares à época que ele era violento e muito ciumento, o que motivou o término.


Publicidade

Não foram encontrados resultados.

Publicidade

Não foram encontrados resultados.

Publicidade