Publicidade

viu essa?

O que é síndrome do ovário policístico que Larissa Manoela foi diagnosticada

A atriz publicou em sua rede social estar com a doença; em 2021 ela tinha sido diagnosticada com endometriose

| Da redação -

Larissa Manoela se apresenta em Ribeirão Preto
Larissa Manoela revelou o diagnóstico através de seu Twitter
  

A atriz Larissa Manoela surpreendeu a todos ao postar, em sua rede social, nesta terça-feira (20), que foi diagnosticada com síndrome do ovário policístico. No Twitter, ela escreveu que o diagnóstico a assusta e que deu uma desestabilizada.  

Segundo o site do Ministério da Saúde, não se sabe a causa específica da síndrome do ovário policístico, que afeta Larissa Manoela, mas metade das mulheres com essa síndrome têm problemas hormonais, como excesso de produção de insulina pelo pâncreas. Já o restante apresenta problemas nas glândulas hipotálamo, hipófise e adrenais, produzindo maior quantidade de hormônios masculinos e isso ocorre, geralmente, em mulheres com idade entre 30 e 40 anos. 

Os sintomas são variados, como alterações menstruais, aumento dos pelos no rosto, seios e abdômen; tendência à obesidade, acne, infertilidade e também pode acontecer queda de cabelo e ter depressão.   


VEJA TAMBÉM    
Viih Tube anuncia estar grávida de seu primeiro filho 

Saiba quem substituirá José Dumont na novela 'Todas as Flores' 


No Twitter, Larissa Manoela escreveu que não é fácil ser mulher e que soube do diagnostico após realizar ultrassom. "Ontem através de um ultrassom detalhado eu descobri que além de endometriose eu tenho também ovário policístico. Não é fácil ser mulher. O diagnóstico positivo assusta e confesso dar uma desestabilizada. Mas tô certa de que vou encontrar o melhor tratamento pra ambas as doenças!", escreveu.  

Como é o tratamento?  
 
De acordo com o Ministério da Saúde, como se trata de uma doença crônica, o tratamento da síndrome objetiva a melhora dos sintomas. Mulheres de 15 ou 16 anos, obesas, com pelos no rosto e no corpo e acne precisam emagrecer. Às vezes, só a perda de peso ajuda a reverter o quadro.  


  

Se não forem obesas, a atenção se volta para o controle da produção de hormônios masculinos, o que se consegue por meio de medicamentos que atuam, também, na regulação da menstruação, na redução da produção de sebo pelas glândulas sebáceas e na diminuição do crescimento de pelos.

Como há tendência ao ganho de peso, o tratamento pode incluir medicamentos para prevenir o diabetes e outros para evitar o colesterol elevado. Os casos de infertilidade também respondem bem ao tratamento com medicamentos. 

LEIA MAIS 
Cardiopatia e obesidade: Setembro Vermelho alerta para doenças cardiovasculares

Publicidade

Não foram encontrados resultados.

Publicidade

Publicidade