Publicidade

viu essa?

Navio Alexandre Pires: qual o valor do cruzeiro de cantor

Cantor é investigado por fazer parte do "núcleo financeiro" de um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami

| Da redação -

Cantor é investigado por fazer parte do "núcleo financeiro" de um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami (Foto :Reprodução/Redes Sociais)


Alexandre Pires é alvo de uma investigação da PF (Polícia Federal) por fazer parte do "núcleo financeiro" de um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami, em Roraima. Durante a operação, o cantor estava em alto-mar, em um navio. O cruzeiro temático chamado "Navio Alexandre Pires" contou com três dias de duração e shows de artistas como Lulu Santos, Zeca Pagodinho e Alcione. A cabine mais barata do navio, que acomodava quatro pessoas, custava em torno de R$ 4,6 mil. Já a mais cara, com varanda e um pacote all inclusive para duas pessoas, saía por R$ 8,9 mil. 

Este é o terceiro na que o cantor promove o Navio. Neste ano, o cruzeiro partiu da orla de Santos, na última sexta-feira (1º) e seguiu até segunda-feira (4). 

O navio era equipado com restaurantes temáticos, minigolfe, pista de corrida, parque aquático e cinema. Os preços das cabines, que ficaram esgotadas, variavam conforme o padrão escolhido: o cruzeiro tinha cabines internas, externas com janela ou varanda e até suítes luxuosas.  

 

LEIA TAMBÉM 

Alexandre Pires e garimpo legal; entenda investigação da PF 

Quem é Evandro Guedes, ex-policial militar que minimizou pena por violar corpos de mulheres mortas


INVESTIGAÇÃO 

Sobre a investigação, de acordo com a PF (Polícia Federal), o músico foi alvo de um mandado de busca e apreensão em um cruzeiro, onde se apresentava, no litoral santista. Ele teria recebido R$ 1.382 milhão de uma mineradora, que é investigada pela PF na operação "Disco de Ouro".
 

Confira a nota do advogado de Alexandre Pires: 

 

Cantor é investigado por fazer parte do "núcleo financeiro" de um suposto esquema de garimpo ilegal na Terra Yanomami (Foto :Reprodução/Redes Sociais)

 

Leia a matéria completa sobre o caso aqui.

Publicidade