Publicidade

on run

Você no ON RUN: Zulleika Spina Beck

O maior portal de corrida de rua do interior paulista abre espaço para atletas amadores e amantes da modalidade contarem suas histórias

| Da redação -

A corredora amadora Zulleika Spina Beck
Raramente a corrida de rua é a primeira modalidade esportiva que uma pessoa pratica na vida. Apesar disso, é uma atividade que está presente em muitas outras, como correr atrás de uma bola, por exemplo. Mas ao descobrir a corrida e tomar gosto, fica difícil parar. E cada passo é sempre uma conquista alcançada.

Zulleika Spina Beck, 44 anos, estilista, conta que começou na corrida há cinco anos e de forma bem despretensiosa, incentivada pelo marido. Ela já frequentava o clube onde há treinos da modalidade, mas, na época, praticava tênis e fazia pilates.

Como era asmática, nunca havia pensado em correr, mas topou o desafio e iniciou as atividades junto com seu companheiro. "No início eu não conseguia fazer a aula inteira. Chegava 7h10min da manhã e fazia até às 8h. Isso porque das 8h às 8h30min eu ia para a aula de tênis. Mas, com o tempo, percebi que eu precisava me dedicar a uma coisa só", relata a estilista.

O motivo de a corrida de rua conquistar tantos adeptos, entre muitos outros, é o mesmo que conquistou Zulleika: a socialização. "Comecei a fazer corrida com um grupo pequeno de pessoas de diversos níveis. Isso me inspirou muito, porque o pessoal estava sempre conversando sobre corridas e as provas, contanto suas metas. E os mais experientes sempre dão dicas", afirma a corredora que corrobora a tese de que ter uma meta ajuda a alcançar um objetivo. A seguir, ela conta mais sobre sua vida como atleta amadora:

ON RUN: Como foi seu início da corrida?
Zulleika: Foi de maneira bem despretensiosa. Me inscrevi na equipe de corrida do clube por incentivo do marido, que achou que eu iria gostar.

ON RUN: Quais as maiores dificuldades para se manter treinando?
Zulleika: Fazer do treino algo importante na rotina, assim como cuidar dos filhos e todos as tarefas normais. Mas, como tudo na vida, precisamos ter prioridade, assim como o restante das tarefas e obrigações. Administrar o tempo.

ON RUN: Quais são seus pontos fortes para te manter treinando?
Zulleika: Ter um objetivo, seguir um plano, ter uma estratégia, focar no resultado e ter sempre uma prova em vista.

ON RUN: O que tem dado mais atenção para continuar firme nos treinos?
Zulleika: Ter um excelente treinador e amigos na corrida que te motivam e servem como inspiração.

ON RUN: Quais atividades tem feito e que te ajudam a melhorar cada vez mais na corrida?
Zulleika: Musculação.

ON RUN: Quais são seus maiores sonhos ou desejos com a corrida?
Zulleika: Superar meus tempos, fazer muitas meias maratonas e fazer uma maratona.

ON RUN: Na sua família, quem te motiva na corrida?
Zulleika: Meus filhos e marido.   

Zulleika Spina Beck exibe suas medalhas

ON RUN: Na sua opinião, como seria a sua corrida de rua ideal?
Zulleika: Seria a beira-mar, clima fresco, acompanhada de muitos amigos corredores. E, o mais importante, uma prova bem-organizada, priorizando sempre pela segurança dos corredores.

ON RUN: Quem são seus ídolos ou pessoas que te inspiram e te mantém firme na corrida?
Zulleika: Meu treinador, amigos corredores do clube Cultura, em Campinas.

ON RUN: Descreva como é a sua rotina de treinos de corrida.
Zulleika: Depende muito do meu objetivo. Nesse momento, tenho treinado para uma meia maratona. Segunda e quarta, eu treino de musculação. Terça, vou para a pista. Quinta é rodagem. Sexta é dia de treino de rampa. E final de semana, uma rodagem mais longa, o famoso longão.

ON RUN: Como é a sua alimentação no período de treinos e descanso. É tudo igual?
Zulleika: Nos dias de treino, foco mais no consumo de proteínas e reposição rápida de carbo. Evito comer comidas pesadas com muita gordura.

ON RUN: Como é acordar cedo ou mesmo chegar para treinar. Dá aquela preguiça básica?
Zulleika: Já deixo tudo meio pronto na noite anterior. Assim, logo cedo, acordo e vou treinar sem pensar muito. Já fico no automático, sem dar oportunidade da preguiça tomar conta.

ON RUN: Quais conselhos daria para quem sonha em se tornar um corredor amador?
Zulleika: Procure uma assessoria esportiva, tenha um treinador para montar sua planilha. Nos primeiros meses, é crucial evitar faltar. Seja persistente. Você fará amigos e isso será essencial para sua constância.

ON RUN: Para você é importante ter um professor especialista em corrida?
Zulleika: Sim, essencial.

ON RUN: Você tem alguma mania ou superstição?
Zulleika: Não, mas gosto de correr de bandana e viseira.

ON RUN: Conte algumas histórias inusitadas, interessantes ou engraçadas que viveu ou viu na corrida.
Zulleika: Há alguns meses, me acidentei em uma trilha, onde estava com meus amigos. Estava correndo, descendo uma ladeira, quando tropecei em uma pedrinha. Me esborrachei no chão, ralei perna, braço e mão. Foi feia a coisa. Porém, continuei correndo até terminarmos o percurso. Uma amiga enfaixou meu braço para estancar o sangue e só fui dar conta do estrago depois que cheguei em casa e fui tomar banho . Aí o bicho pegou.

ON RUN: Qual foi o motivo que fez você praticar a corrida?
Zulleika: Busca por um esporte novo, gastar energia e ganhar condicionamento físico .

ON RUN: Qual sua mensagem para os corredores que vão participar da corrida integração 2022?
Zulleika: Vivam o momento como se não houvesse amanhã. Sem pressão. Se preparem e façam o seu melhor no percurso.  

ON RUN: Quais as principias provas e resultados que você participou?
Zulleika: Participei de duas meias maratonas (melhor tempo: 1h56) e duas São Silvestres (melhor tempo: 1h33) .

Publicidade