Publicidade

on run

Daniel Nascimento volta a exibir seu talento em solo nacional

Principal maratonista do País, que vive e treina no Quênia, será uma das atrações no Troféu Brasil também corre a Meia Maratona do Rio neste sábado (18/6)

| ON Run -

Daniel Nascimento, campeão sul-americano em Guayaquil
Daniel Ferreira do Nascimento vai correr os 10.000 metros no Troféu Brasil Loterias Caixa Interclubes de Atletismo, de 22 a 25 de junho, no Estádio Olímpico Nilton Santos, no Rio de Janeiro. Ele é convidado da Confederação Brasileira de Atletismo (valem os resultados, mas sem pontuação na disputa entre clubes. Ele defende a Associação Noroeste Runners-RS).

Antes, Danielzinho, como é conhecido no atletismo, será uma das atrações na Meia Maratona do Rio neste sábado (18/6). "Na minha última meia maratona, dentro da maratona, eu passei para 1h02", disse. Vai tentar melhorar sua marca pessoal de 1h04min35 nos 21 km. No domingo, Daniel vai acompanhar a disputa da maratona carioca.

Tanto a Meia Maratona quanto os 10.000 m estão dentro de um ciclo de duas semanas em sua preparação para o Campeonato Mundial de Atletismo do Oregon, Estados Unidos, de 15 a 24 de julho, segundo o treinador Jorge Luiz da Silva, que assumiu a preparação do atleta no início deste ano. "É um ciclo rápido para quem está há um bom tempo em altitude, adaptação ao calor, polimento para a maratona", afirmou Jorginho.

O fundista está motivado com a possibilidade de dar a primeira medalha de ouro para o seu clube, a Associação Noroeste Runnes, de Ijuí (RS), e por competir no Estádio Olímpico Nilton Santos, no Troféu Brasil. "Em 2016, na Olimpíada, eu estava na arquibancada", disse Daniel, que agora integra o Programa de Preparação Olímpica do Comitê Olímpico do Brasil (COB) visando os Jogos de Paris-2024.

Daniel fez uma carreira com bons resultados nas categorias de base, em provas de cross country e em pista. É recordista brasileiro sub-18 dos 3.000 m (8:26.90) e dos 2.000 m com obstáculos (5:45.22) e sub-20 dos 10.000 m (29:13.34).

Nascido a 28 de julho de 1998, na cidade de Paraguaçu Paulista (SP), correu sua primeira maratona em maio de 2021, quando venceu em Lima, no Peru, garantindo qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, com o tempo de 2h09min04. Em 2021 também venceu os 10.000 m do Campeonato Sul-Americano de Guayaquil, no Equador.

Em abril de 2022 correu a quarta prova de 42,195 km da carreira, a Maratona de Seul, na Coreia do Sul, em 2h04min51, superando a marca de 2h06min05 que era de Ronaldo da Costa para bater os recordes brasileiro e sul-americano. Agora é o primeiro não-africano na lista dos melhores do mundo.

QUÊNIA
O fundista volta para Kaptagat, no Quênia - local a 2.800 m de altitude - para a preparação final ao Mundial do Oregon no dia 26, logo após o Troféu Brasil. "Treinar lá ajuda para correr ao nível do mar. E também tem a natureza, é livre de trânsito e poluição. Dá uma paz interior e estou treinando com os melhores, adquirindo excelentes referências", comentou.

Sobre se já ouviu algum conselho do queniano Eliud Kipchoge, bicampeão olímpico e recordista mundial da maratona, disse que sim. "Falou para eu me divertir, pela minha idade, e que se eu colocar em prática tudo o que treinei tudo vai dar certo. Fala em trabalho duro, disciplina, determinação porque com tudo isso a motivação vem. E em criar memórias para provas futuras."

Publicidade