Publicidade

on run

Três alertas para evitar problemas ao iniciar na corrida de rua

Imprudência, negligência e imperícia são vilões que podem prejudicar, ou mesmo acabar, com a motivação das pessoas que decidem trocar o sofá por uma vida ativa por meio do esporte

| ON Run -

Corredores iniciantes devem respeitar a planilha de treino
Você está cansado de ver as pessoas praticando algum tipo de atividade física. Sabe da sua importância e, finalmente, resolveu levantar do sofá e se mexer. E agora vai ser para valer, certo? Depois de tudo que passamos nos últimos dois anos, em especial no que diz respeito a nossa saúde e o fortalecimento do sistema imunológico, 2022 vai ser o primeiro ano do resto de sua vida. Uma vida saudável por meio do esporte. Ou seja, não vai ter jeito. Se não for pelo amor, vai pela necessidade mesmo. O importante é praticar uma atividade física. Se fora corrida, melhor ainda, conforme as orientações do consultor técnico de ON RUN, Ronaldo Dias. 

Se você pensou bastante, analisou sua rotina diária, tempo disponível para se cuidar e decidiu que vai começar a correr, que tal programar a estreia em provas fazendo 5km na Corrida Integração, dia 25 de setembro, e, quem sabe, participar e completar da São Silvestre no último dia do ano? Afinal, se for para fazer, é preciso fazer direito. E nada melhor que um objetivo motivador como o de correr a principal prova de rua do atletismo brasileiro.

Antes de iniciar, ou melhor, para iniciar com os pés direito e esquerdo (afinal, na corrida é um pé de cada vez), listamos três alertas para que ninguém "queime a largada" e corra o risco de se desmotivar e sair de corrida de rua direto para voltar ao sofá.

Abordaremos algumas palavras comuns na área de segurança e que são ouvidas com muita frequência no trânsito. Não estamos falando de termos em comum, como mobilidade que, no tráfego urbano se encaixa como meio de locomoção dos carros, motos, bicicletas, enquanto na prática esportiva é utilizada para indicar mobilidade articular. 

Cuidado para não cometer erros básicos no início da vida como corredor
Neste artigo, vamos abordar o conceito de negligência, imprudência e imperícia que podem ocorrer na corrida de rua. Você logo entenderá como tudo isso pode ajudar a iniciar bem na modalidade e reconhecer porque corrida não é só correr:

NEGLIGÊNCIA: também conhecida como a famosa desatenção, está relacionada à omissão. Significa não fazer o que precisa ser feito ou, porque não dizer, o que é determinante. Nesse caso, as precauções devidas simplesmente não são executadas e o risco de acidentes/lesões é sempre elevado.

Assim como nas demais áreas do conhecimento, na corrida também existem os métodos e os meios para se chegar ao sucesso. Negligenciar o conhecimento adquirido por anos e anos por meio da experiencia e estudo de atletas e treinadores é simplesmente ficar no barco à deriva e à mercê dos ventos. Ou seja, você até pode chegar à terra firme, mas ficara sempre a sensação que poderia ter feito isso de forma mais tranquila e, principalmente, em linha reta, usando o vento a seu favor para chegar mais rápido.

IMPRUDÊNCIA: o corredor não adota o comportamento indicado (orientado) mesmo tendo a consciência de que essa atitude é errada. Nesse caso, assume o risco e até a culpa de um eventual acidente/lesão. Por esse motivo, é a imprudência é considerada mais grave do que a negligência.

Esses casos são muito comuns com os autodidatas ou alunos que gostam de ler e se manter informados. Contudo, em muitos casos, as informações podem vir de fontes não confiáveis ou incompletas, sem as devidas considerações e adaptações a cada realidade, e isso pode colocar em risco a preparação.
Há também a influência de amigos, pois alguns iniciantes preferem ignorar o que está prescrito pelo seu treinador para acompanhar alguns colegas em treinos, mesmo que a periodização deles (se houver) não tenha nenhuma relação com seu momento na corrida ou objetivos.

IMPERÍCIA: trata-se da inabilidade técnica, teórica e/ou prática do corredor iniciante para executar uma tarefa. Nesse caso, podemos incluir também certos treinadores. Ou seja, a pessoa não tem os conhecimentos e capacitação necessários para realizar o treino ou mesmo prescrever uma planilha, mas decide fazê-la mesmo assim.

Quando essas três situações se juntam, está formada a tempestade perfeita. A negligência, a imprudência e a imperícia são verdadeiros vilões na preparação rumo às corridas, representando prejuízos incalculáveis no resultado final e até para a saúde do corpo. Há incontáveis relatos de lesões e até de algumas fatalidades em decorrência da soma desses fatores.

Se ficou preocupado, afinal só quer fazer uma corridinha simples, depois que te disseram que era só colocar um tênis e sair cabelos ao vento gente, tudo bem. É um bom sinal para ficar atento e não cometer nenhuma das três falhas citadas anteriormente.

Para auxiliar ainda mais os iniciantes, vamos para exemplos práticos:

NEGLIGÊNCIA: um corredor recebe sua prescrição de treino e deve, obviamente, executar os exercícios respeitando a intensidade e a progressão de carga.
Se não seguir a planilha, será negligente, porque sabe o que deve fazer. Há outros tipos de negligência, como usar tênis inadequados, correr em terreno duro etc.

IMPRUDÊNCIA: o corredor começa o treino fazendo tudo certo, dentro da intensidade, respeitando as pausas e tudo mais. Contudo, no meio dos exercícios, decide seguir por conta própria, não respeitando mais nem os intervalos, nem o tempo previsto para os tiros, por exemplo. Esse é um caso clássico de imprudência.

IMPERÍCIA: O corredor inicia o treino pela parte principal, sem fazer o trabalho de aquecimento por julgar que não é importante. Nesse caso, o treinador tem uma parcela de culpa, caso não tenha orientado o atleta sobre a importância dessa etapa antes de iniciar os exercícios propriamente ditos.

Publicidade