Publicidade

tudo auto

Ford Transit Furgão reúne tecnologias para ser o mais produtivo

Com duas versões, modelo oferece uma ampla lista de funcionalidades e conectividade de fábrica para elevar a produtividade da operação

| tudo auto -

Nova Ford Transit com câmbio automático (Divulgação)
 
Lançado em 1953, o Ford Transit é o utilitário mais vendido nos EUA e Europa. Com mais de 10 milhões de unidades produzidas, o modelo retornou ao Brasil e é produzido no Uruguai, numa parceria entre a Ford América do Sul e a Nordex.

No final do ano passado, a Ford iniciou, com muito sucesso, as vendas do modelo de passageiros e recentemente colocou no mercado a versão furgão.

Com diversos recursos, especialmente de conectividade, a Transit Furgão chega com características exclusivas para atender o segmento de maior volume desse mercado.

Destinada ao transporte de mercadorias, e-commerce e ambulâncias, a Transit Furgão possui duas opções, ambas com teto alto. O teto alto permite que a Transit Furgão tenha maior capacidade volumétrica, enquanto as portas traseiras com abertura ampla, de 270 graus, facilitam adicionar e remover os objetos na área de carga.

A L2H3 é a versão com comprimento médio, volume de 10,7 m3 e capacidade de 1.222 kg. Já a L3H3 é a versão com comprimento longo, volume de 12,4 m3 e capacidade de 1.181 kg.
  
 
 
Mais uma opção da Transit, a versão chassi (Divulgação)
 
Além da capacidade operacional e da confiabilidade, a Transit Furgão se destaca pela conectividade de série, com conexão para Android Auto e Apple CarPlay, comandos de voz, Bluetooth e outros recursos, como acompanhamento preventivo inteligente e relatórios com indicadores para facilitar o controle da operação.

Outros fortes atributos são conforto, desempenho e segurança, muito próximos de um automóvel de passeio. Aliás, a Transit Furgão pode ser dirigida por motoristas com habilitação categoria B.  

 

VEJA TAMBÉM 
Song Plus é o primeiro modelo da marca de luxo BYD no Brasil
 

Esportividade e conforto são os destaques do VW Jetta GLi 



Motor

A Ford Transit Furgão vem equipada com uma motorização turbodiesel EcoBlue 2,0 litros, com 170 cavalos e 39,7 kgfm de torque. É o furgão com maior potência e torque do segmento.

Com tração traseira, permite encarar pisos irregulares ou mesmo ladeiras escorregadias, facilitando o acesso em qualquer lugar. Essa configuração proporciona ainda menor desgaste de pneus, freio e embreagem, aumentando a economia da operação.

Outras tecnologias que também contribuem para a economia de combustível na cidade são o Auto Start-Stop e os três modos de condução (Normal, Eco e Escorregadio), que variam a calibração do módulo do motor, da curva do pedal do acelerador e a potência do ar-condicionado para oferecer o melhor desempenho em cada situação.  

 

Nova Ford e-Transit 100% elétrica (Divulgação)
 

A transmissão pode ser automática ou manual de seis velocidades e a alavanca instalada no painel do furgão, muito próxima do volante, contribui para o maior conforto do motorista.  
Outros itens importantes de conveniência são a direção elétrica, o volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, o console de teto, o compartimento sob o banco do passageiro e seu encosto rebatível que se transforma em uma mesinha de apoio para laptop ou documentos.

Conectividade  

A Transit é o primeiro veículo do segmento a vir com modem embarcado de fábrica, o que oferece novos recursos para o controle e manutenção da frota, via celular, aumentando a produtividade da operação.  

Pelo aplicativo FordPass é possível checar a quilometragem e o nível de combustível, localizar o veículo, agendar serviços online nas concessionárias e receber relatórios mensais com indicadores para o negócio, com consumo de combustível e de Arla 32/Adblue e distâncias percorridas. O objetivo é que o proprietário possa se programar e evitar paradas inesperadas.  

Outro diferencial são os alertas de falha, capaz de detectar mais de 3.000 tipos de alertas de funcionamento do veículo através da luz indicativa no painel e mensagem no FordPass. E essa funcionalidade se liga diretamente a outra: o serviço de acompanhamento preventivo inteligente.    

 
Ford Transit versão ambulância (Divulgação)
 

Se o problema detectado neste alerta for mais severo, um atendente da central da Ford entra em contato proativamente com o cliente para informar e orientar sobre a solução.  

A Transit ainda possui outro serviço diferenciado, a Assistência Técnica em Conferência, que coloca o cliente em contato direto por telefone com o chefe de oficina da concessionária mais próxima, permitindo reparar e solucionar problemas mais simples no próprio local.

Segurança

Como segurança é muito importante, a Transit é reconhecida pelo Euro NCAP como a mais segura do segmento, com o prêmio "Gold Medal", além de ter carroceria com estrutura de ultrarresistência.  
 

A nova Ford Transit Furgão tem grande versatilidade (Divulgação)
 
Um dos principais atributos da Transit Furgão é o sistema AdvanceTrac, que inclui controle eletrônico de estabilidade e tração, controle de torque em curvas e anti-capotamento, controle adaptativo de carga, assistente de partida em rampa e estabilização de vento lateral. Conta também com luzes de frenagem de emergência, sensor de estacionamento, airbags frontais e cintos de segurança de três pontos.

Muito útil, a câmera de ré permite que o motorista visualize a traseira com o veículo parado.

Custo de posse

Já disponível em mais de cem concessionárias, a Transit tem garantia da marca norte-americana de um ano, ou 100 mil quilômetros, e revisões a cada 20 mil quilômetros pelo plano Preço Fixo. Esse plano inclui ainda a verificação de mais de 60 itens e mão de obra. A Ford oferece também planos de manutenção personalizada para frotistas, com serviços in loco e análise do custo de operação.

Todo o projeto da Transit foi desenvolvido para oferecer o menor custo total para o cliente, contribuindo para aumentar o tempo do veículo em operação, seja na eficiência, durabilidade e segurança de rodagem, seja ao utilizar a assistência pós-venda. 

LEIA MAIS 
COP 27 discute o fim dos modelos movidos a combustão

Publicidade