Publicidade

No Pé do Café

Entenda como a guerra na Ucrânia afeta a produção de café no Brasil

Especialista explica como proceder nessa situação

| Da redação -

Existem outras substâncias que podem auxiliar no bolso e, também, na produtividade (Foto: Reprodução/ YouTube)


Você sabia que uma guerra, que acontece quase do outro lado do mundo, pode afetar diretamente a produtividade do café brasileiro? A resposta é sim e simples: é da Rússia que vem a grande parte de exportação de adubo.

Segundo dados da ComexStat, de 2021, os russos são responsáveis por exportar 2,2 bilhões de dólares em adubos ao Brasil. O ranking é seguido pelo Canadá, com 1,1 bilhões, e pela China, com 706 milhões.

 

Os russos são responsáveis por exportar 2,2 bilhões de dólares em adubos ao Brasil (Fonte: ComexStat)

COMO AGIR NESSE MOMENTO?

Para contornar essa crise, é necessário jogo de cintura. O cafezal precisa do fertilizante para que o lucro venha, portanto, a lavoura jamais pode ficar sem adubo. 

LEIA TAMBÉM
Setor agro deve ter crédito mais caro na safra 2022/2023  
No Pé do Café: 2ª temporada estreia nesse sábado, dia 23

De acordo com o engenheiro agrônomo Gustavo Rennó, a matemática é importante. Para ele, o cafeicultor deve entender as principais especificidades da lavoura na qual ele trabalha. Isso é fundamental para o passo seguinte: economizar na fertilização.

O especialista explica que existem outras substâncias que podem auxiliar no bolso e, também, na produtividade.

Conheça todas:

NITROGÊNIO

O nitrogênio é o principal elemento para uma lavoura saudável e produtiva. Há boatos de que esterco de galinha, aliado ao produto, é capaz de reduzir custos da fertilização.

No entanto, Rennó explica que isso é inviável. Afinal, seriam necessárias mais de 12 toneladas de esterco por hectare para a correta fertilização.

FÓSFORO

Se o esterco de galinha é inviável no fornecimento de nitrogênio, talvez seja uma alternativa para se conseguir fósforo de maneira barata.

Para suprir as necessidades do solo, Gustavo explica que são necessárias apenas duas toneladas de esterco por hectare.
O fósforo é um dos componentes que fazem o cafezal crescer forte e rico em produtividade.

POTÁSSIO

O potássio ganha no ranking dos produtos mais caros para a cafeicultura. Mas não precisa se preocupar. Existe uma alternativa inteligente e profissional: reforce o cálcio e o magnésio no solo.

Esse movimento pode ser feito através do gesso, que é um produto barato se comparado ao potássio. O No Pé do Café tem uma matéria especial desse assunto (clique aqui).

Para conferir mais dicas, assista ao vídeo abaixo:



*Com supervisão de Luciana Félix.

Publicidade